terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Poema de ônibus

Era uma vez uma flautista
que além de ratos atraía
homens baratos
depressivos chatos
amigas feias
tarados incompetentes
dentistas sádicos
chefes obtusos e visitas inoportunas
Cansada do azar, vendeu a flauta,comprou uma Glock 9mm
e ficou milionária matando o tempo
e casos perdidos.

2 comentários:

Schubert disse...

jah disse o quanto adoro essa poesia? Só essa. Vc tem que divulgar po...

Schubert disse...

ah, e não eh schubert. =)